A ida para a região do Cariri em julho de 2017 marcou o início dos trabalhos de “233A, 720 Khalos” e foi muito intensa para Valéria Pinheiro, Andréa Bardawil, Margô Assis e Marcelo Paes de Carvalho. Ficou muito evidente o quanto Valéria carrega essas suas raízes em todos seus trabalhos como dançarina e coreógrafa.

Além de uma estadia em uma fazenda na região, os integrantes tiveram uma experiência muito rica ao acompanhar cortejos de reisados e grupos tradicionais da região. A ONG BEATOS também foi visitada, e podemos interagir com Dane de Jade, grande incentivadora da cultura tradicional da região. Em Barbalha, conhecemos ainda a Casa dos Saberes, onde ocorria um encontro sobre a cultura africana, capitaneado pelo cineasta Rosemberg Cariry. Tudo isso serviu para fortalecer as ligações entre o sertão, o México e o Marrocos, lugares por onde passeiam o início de pesquisa. Nos lugares visitados serviram ainda para longas conversas sobre o processo, além de algumas provocações feitas pela coreógrafa Andréa Bardawil e a tutora Margô Assis à Valéria Pinheiro.

Foto: Marcelo Paes de Carvalho

Lab. de Artes Visuais

  • 051/Grande Circular
  • Isolamento Compulsório
  • Novas Abordagens Perceptivas do Real
  • Sonho causado pelo voo de uma abelha ao redor de uma romã, um segundo antes de acordar

Lab. de Audiovisual

  • Ocre
  • Estrada Aberta
  • Tempo de matar cachorro
  • Telma
  • Perdido
  • 7 CAIXAS

Lab. de Dança

  • 233 A, 720 Khalos
  • Afrontamento
  • Afrontamento
  • Corpos Embarcados

Lab. de Música

  • Sila Crvs A.O.A
  • Iracema Som Sistema
  • Ode ao Mar Atlântico
  • Orquestra Popular do Nordeste

Lab. de Teatro

  • Caldeirão de água no deserto – realidades e utopias?.
  • DESPEJADAS
  • Nossos Mortos
  • O retorno a Juberlano