Bem, estamos abrindo o blog que vai relatar ao longo desse ano de 2017, nossas experiências que vamos desenvolver durante o laboratório de criação (LABMUS – Porto Iracema das Artes).

O processo imersivo do projeto Ode ao mar atlântico; realiza um paralelo híbrido de sinergia entre os campos da experimentação sonora, arte experimental e músicas de terreiro difundidas em comunidades afro brasileiras; o processo de pesquisa através dos toques e células rítmicas que se expressam em ritos litúrgicos no candomblé, umbanda e religiões afro-ameríndias – para isto, criar pontos e caminhos de convergência na interpretação da sensibilidade auditiva e percepções sensoriais em camadas/texturas sonoras difundidas na música experimental, tendo como elos de ligação a transcendência/catarse que os ritos, toques, células rítmicas, texturas e camadas sonoras ressoam e ressignificam nossas interpretações sensitivas, espirituais e emocionais.Fazendo uma pequena observação genealógica destas expressões, destacamos o som essencialmente como uma grande importância no campo da criação artística e humana. As especificidades das notas musicais, timbres, a voz como elemento de comunicação, desde a partitura/som, a abordagem que o cinema utiliza-se com diversas camadas e texturas sonoras; e até mesmo nas artes visuais percebe-se componentes sonoros direcionando a criação de obras de arte, peças de arte. Com isto torna-se ainda mais evidente este surgimento de formas artísticas baseadas na exploração/investigação sonora efervescentes nas décadas de 60, 70, delimitando um novo campo artístico – arte sonora – uma intersecção entre a música e as artes visuais representadas por novas sonoridades, objetos sonoros, campos da performance e as interfaces de diálogo com a tecnologia.

Nossa imersão passa também por espaços de criação e experimentação como o Trincheira Art Lab em Fortaleza/CE – residência artística e um verdadeiro campo autônomo de desenvolvimento de efeitos e artesanias sonoras potencializando novas sensibilidades de escuta e expressões (que caracteriza por novos timbres, adaptações de instrumentos – recriando tessituras experimentais próprias no fazer musical). Por lá criamos efeitos, realizamos gravações, edições, ensaios e encontros de GT`s grupos de trabalho  – acerca do que estamos realizando por aqui. Construção de efeitos sintetizados, novos instrumentos e efeitos  – com uma referência “Smetakiana”.

 

Esta forma de investigação sonora e de composição perpassa por outros espectros e métodos investigativos como registros e coletas sonoras, ambientações instalativas físico-naturais, ambientes acústicos totais, sonoridades e emulações inventivas de música. Nossos primeiros estudos de coletas realizou uma mapeamento cartográfico sonoro dos lugares tidos como importantes na nossa pesquisa. vilarejos, praias, pontos de manifestação, representações estruturais pesqueiras – e a identidade auditiva e de memória que contém em cada coleta/registro; através de um microfone hidrofônico, com resposta de frequência entre 20HZ-100KHZ, e imerso sob uma profundidade de 5 metros. As relações físico-sinestésicas-sonoras-auditivas coletadas do mar atlântico – reverberando e amplificando nossas histórias e memórias de todas as travessias espirituais e afetivas que por ali permanece em constante movimento.

Uma das principais etapas na pesquisa do processo criativo foi adentrar no universo litúrgico-musical dos terreiros de Fortaleza/CE. No dia 15 de junho de 2017 nós realizamos uma visita ao ritual “Quartinhas de Oxóssi” do terreiro de candomblé Ketu Ilê Axé Omo Tifé no bairro Conjunto Tamandaré. Empregamos como técnica inicial de abordagem não levar a caderneta/bloco de anotaçes, não filmar e gravar em nenhum tipo de plataforma. A abordagem inicial foi orientada por uma imersão em caráter derivas/escutas sonoras, visuais, táteis, cheiros e aspectos metafísicos e sobretudo sobrenaturais que ali presenciamos. Saberes e conversas através de uma oralidade e compartilhamento de experiências daquelas pessoas que habitam este universo de busca e cura espiritual. Percebemos que os ritos conduzidos são fortemente influenciados pela música e suas ancestralidades ali postas, mas com outras atividades/ações codificadas ou não, por seus sujeitos. Os adeptos e no caso de alguns de nós, não-adeptos, ainda estamos processando informações e sentido. Porém, as representações mitológicas das divindades africanas, ampliam esta cosmogonia (modelos relacionadas a existência, criação e origem do universo).

Como imersão, encontros são realizados afim de aprofundar essa estética, ensaios periódicos com finalidade formatar canções e intervenções; performances musicais são realizadas resultando na criação de arranjos e trocas de referencias entre os participantes do projeto dente outros protagonistas (vídeos, discos, álbuns, artigos, livros, instrumentos são compartilhados entre todos como forma de tornar uníssono esse discurso, criando narrativas futuras. No âmbito da formação musical o projeto é composto por 05(cinco) integrantes entre artistas e pesquisadores com experiência na área da música e importantes vivencias em outras linguagens artísticas; cinema, teatro, artes plásticas, artes visuais, performance, arte sonora e filosofia. Diego Maia, Rami Freitas, Eduardo Escarpinelli, Eden Barbosa e eu – compartilhamos por tantos percursos e trajetórias distintas, nossos métodos de criação/composição partem no campo da música exploratória, de caráter investigativo, primando por suas respectivas intuições e modos de interpretação. Ruído, experimentos, linhas melódicas, silêncios, fitas eletromagnéticas, tapes raros e outras formas de execução/expressão do ofício instrumentista; subvertendo as tradicionais formas de tocar um instrumento, reinventando outras.

..abrimos o blog com estes apontamentos e instigações. Durante o processo vamos escrevendo e mandando notícias por aqui. Nessa semana, começamos os trabalhos junto a tutoria do compositor, produtor: Arto Lindsay, vamos jogar por aqui a experiência.

 

Bem Vindos! Muito obrigado!

Asé

<3

Por Eric Barbosa

 

Ode ao mar atlântico:

 

Eric Barbosa (Voz, Textos, Canções, Guitarras, Synths, Efeitos Sonoros, Esculturas Sonoras, Percussão e Sampler)

Eden Barbosa (Percussão, Samplers, Violão, Efeitos Sonoros e Fitas Magnéticas)

Eduardo Scarpinelli (Clarinete e Efeitos)

Diego Maia (Baixo, Sintetizadores e Samplers)

Rami Freitas (Bateria, Percussão, Flautas e Efeitos Sonoros)

Arto Lindsay: Tutoria

 

 

  • – – – – – –

 

Referências Bibliográficas // Pesquisa Ode ao mar atlântico (Junho.Julho) – 2017

Som, espaço e tempo na arte sonora: http://www2.eca.usp.br/prof/iazzetta/papers/anppom_2006.pdf

A experiência da música e a música experimental: http://www.academia.edu/1933485/A_experi%C3%AAncia_da_m%C3%BAsica_e_a_m%C3%BAsica_experimental

BROWN, Earl – “Form in new music”,in Darmstädter Beiträge zur Neuen Musik X ,Darmstadt, Tonos,1966:  http://music.ucsc.edu/sites/default/files/EarleBrown.pdf

CAGE, John – “Experimental Music” in The American Composer Speaks. USA,Louisiana State University Press, 1969, 2a ed. Org. Gilbert Chase, p.226: http://academic.evergreen.edu/a/arunc/compmusic/cage3/cage3.pdf

Música e ruído no Brasil: explorando fronteiras sonoras em tempos sombrios: http://www.ocafezinho.com/2016/05/11/musica-e- ruido-no- brasil-explorando-fronteiras- sonoras-em- tempos-sombrios/

Etnografia sonora na cidade: algumas contribuições metodológicas acerca do registro sonoro na pesquisa de campo: http://seer.ufrgs.br/iluminuras/article/view/15529

Atlântico Negro: https://www.youtube.com/watch?v=5h55TyNcGiY

Barravento: https://www.youtube.com/watch?v=FyS53WkYyYI

Casa de Santo: https://www.youtube.com/watch?v=yf7p-uWcQ-4

Pierre Fatumbi Verger Um Mensageiro entre dois Mundos: https://www.youtube.com/watch?v=S5hwnp_7Rag

 

 —

 

 

 

 

 

 

 

 

Lab. de Artes Visuais

  • 051/Grande Circular
  • Isolamento Compulsório
  • Novas Abordagens Perceptivas do Real
  • Sonho causado pelo voo de uma abelha ao redor de uma romã, um segundo antes de acordar

Lab. de Audiovisual

  • Ocre
  • Estrada Aberta
  • Tempo de matar cachorro
  • Telma
  • Perdido
  • 7 CAIXAS

Lab. de Dança

  • 233 A, 720 Khalos
  • Afrontamento
  • Afrontamento
  • Corpos Embarcados

Lab. de Música

  • Sila Crvs A.O.A
  • Iracema Som Sistema
  • Ode ao Mar Atlântico
  • Orquestra Popular do Nordeste

Lab. de Teatro

  • Caldeirão de água no deserto – realidades e utopias?.
  • DESPEJADAS
  • Nossos Mortos
  • O retorno a Juberlano