O encontro com Luiz de Abreu foi um alvo certeiro. A intuição quando se deu de maneira como se fosse um pôr do sol, bonito em suas cores e com cheiro que amanhã vai ser maior e mais lindo ainda.

Os dias na cidade com esse menino Luiz, rendeu muitas reflexões sobre o campo da dança, das artes e, mais, sobre nós pretxs e artistas. Podemos compartilhar de nossas vidas de tal maneira que percebemos o qual encarnado “Afrontamento” está em nós. É urgente falar do cerne que este projeto traz e produz, seja no campo cultural como no cotidiano da cidade.

Luiz com sua experiência e abertura para maturar o projeto, foi parceiro e parceria integral. Foi sua busca no hotel, como nos rolês pela cidade, a camaradagem estava ali. São corpos negros camará!

Lab. de Artes Visuais

  • 051/Grande Circular
  • Isolamento Compulsório
  • Novas Abordagens Perceptivas do Real
  • Sonho causado pelo voo de uma abelha ao redor de uma romã, um segundo antes de acordar

Lab. de Audiovisual

  • Ocre
  • Estrada Aberta
  • Tempo de matar cachorro
  • Telma
  • Perdido
  • 7 CAIXAS

Lab. de Dança

  • 233 A, 720 Khalos
  • Afrontamento
  • Afrontamento
  • Corpos Embarcados

Lab. de Música

  • Sila Crvs A.O.A
  • Iracema Som Sistema
  • Ode ao Mar Atlântico
  • Orquestra Popular do Nordeste

Lab. de Teatro

  • Caldeirão de água no deserto – realidades e utopias?.
  • DESPEJADAS
  • Nossos Mortos
  • O retorno a Juberlano